QAQC aplicado à mineração - CORE CASE

QAQC aplicado à mineração

O termo QAQC é a sigla em inglês para Quality Assurance e Quality Control, que significa Garantia de Qualidade e Controle de Qualidade. 

A garantia de qualidade (QA) e o controle de qualidade (QC) são os dois principais componentes de qualquer sistema de gestão da qualidade. 

De acordo com a definição da ISO, QA é “o conjunto de todas as ações planejadas e sistemáticas necessárias para fornecer confiança adequada de que um produto, processo ou serviço irá satisfazer determinados requisitos de qualidade”.

E o QC refere-se ao “sistema de ações para verificar se a qualidade das atividades de controle são eficazes”. 

Enquanto o QA trata da prevenção de problemas, o QC visa detectá-los, caso ocorram.

Uso do QAQC em projetos minerais

O QAQC é utilizado para diversos tipos de projetos que lidam com gestão de dados, e na indústria da mineração é uma regra a ser aplicada em diversos países, lidando com os dados da pesquisa e exploração mineral – sobretudo em relação à amostragem, análises de laboratório e gestão de dados.

Em termos práticos, os procedimentos de controle de qualidade geológica destinam-se a monitorar a precisão e exatidão dos dados do ensaio, bem como a possível contaminação da amostra durante a preparação e o ensaio.

A aplicação do QAQC na mineração visa garantir que a qualidade dos dados e informações usadas para tomar decisões sobre o projeto sejam sólidas – interferindo assim em aspectos importantes de um projeto mineral que afetam diretamente o seu desenvolvimento.

Um QAQC positivo é o selo de aprovação do banco de dados. Sem este selo, todo o esforço em interpretações geológicas complexas, estimativas matemáticas e classificação de recursos é posto em causa.

Esquema demonstrando o processo de QAQC na mineração. Fonte: Instituto Minere

Aplicabilidade do QAQC na mineração

O QAQC é mais eficaz se usado durante uma campanha de perfuração para MONITORAR a coleta de dados e interromper uma campanha ou laboratório com baixo desempenho. 

A execução de um QAQC no final do programa de coleta de dados é uma maneira ineficaz de gerenciar a coleta de dados.

Um bom processo de QAQC é aquele que é ativo, contínuo e revisado à medida que os dados são coletados; é fácil de entender, faz sentido e fornece informações suficientes para tomar ações corretivas oportunas com seu procedimento de amostragem ou no laboratório.

QAQC – Principais maneiras de  analisar a qualidade dos dados na mineração

  • Controle estatístico de processo
  • Executar gráficos de controle
  • Definir padrões
  • Definir limites de controle

As atividades dos processos de QAQC na mineração são pautadas por uma série de normas técnicas e procedimentos analíticos. O controle estatístico e a organização dos dados são as principais ferramentas do QAQC.

Foto: Afonso Gonçalves – TOP GEO

Padrões QAQC e amostragem na mineração

A amostragem na mineração é um dos procedimentos mais importantes para ter um controle de qualidade. Apresenta algumas definições utilizadas para a descrição de amostras de controle. As principais são: 

  • Amostras gêmeas: São usadas para avaliar o erro de amostragem e para indicar baixa ou alta variabilidade das características mineralógicas da amostra. São amostras obtidas a partir da segunda divisão de um testemunho de sondagem. Ambas amostras deverão ser preparadas e analisadas no mesmo laboratório, no mesmo lote, porém com identificações distintas, sem caracterizar quais são para controle de qualidade. 
  • Branco grosso: Amostras utilizadas para a identificação de presença de contaminação durante a etapa de preparação. São amostras de material estéril (sem mineralização), com granulometria grossa e que devem ser submetidas a todo processo de preparação junto às amostras originais do projeto. Recomenda-se inseri-los logo após as amostras mineralizadas.
  • Brancos finos: Esta ferramenta é utilizada para identificar possíveis contaminações durante a análise. São amostras de material pulverizado isentas de componentes alvo (estéreis) e devem ser inseridas e analisadas imediatamente após a mineralização das amostras. 
  • Padrões: São usados para avaliar a exatidão analítica. Constituem amostras preparadas em condições especiais, devendo constituir lotes para análise enviados a laboratórios primários e secundários. Recomenda-se um padrão de pelo menos três faixas de grau (graus baixo, médio e alto). Os critérios de acreditação são usados ​​para avaliar a precisão analítica.
  • Duplicatas grossas (ou de preparação): Ferramenta utilizada para avaliar erros durante a etapa de preparação (quarteamento). São duplicatas retiradas logo após a etapa de britagem e quarteamento. Devem compor o mesmo lote da amostra original, com números distintos, e serem analisadas no mesmo laboratório. 
  • Duplicatas de polpa: São usadas para avaliar a precisão analítica do laboratório. Constituem réplicas (duplicatas) das amostras originais, pré-trituradas, inseridas em lotes para análise e identificadas de forma diferente das amostras originais. Essas amostras são usadas para avaliar a precisão analítica do laboratório.

QAQC e aplicação nas fases de um projeto mineral

Um Projeto Mineral apresenta diversas fases ou etapas, onde há em comum a geração de dados ou amostragem, devendo portanto, seguir os procedimentos do QAQC. De forma geral, elas são: 

  • Prospecção Mineral: Esta etapa é o início de um empreendimento de mineração, sendo necessário a caracterização do minério e da rocha associada (envolvendo assim análise da sua mineralogia, teores e definição de recursos e reservas). Dessa forma, o QAQC irá promover a transparência e confiabilidade dos dados, necessários para a definição da viabilidade econômica do projeto. A amostragem e sua descrição (em testemunhos de sondagem ou manual) e o gerenciamento dos dados são importantes passos para a aplicação do QAQC.
  • Análises químicas:  Resultados confiáveis ​​e transparentes para amostras enviadas ao laboratório são fundamentais para a correta caracterização do depósito mineral e tomada de decisão. Diversas ferramentas de controle de amostragem (citadas anteriormente) são utilizadas no processo de análise química, tais como:  controle de massa, branco de preparação, duplicatas, materiais de referência.
  • Banco de dados: Todas as informações obtidas acerca do depósito mineral são gerenciadas em um banco de dados. Dessa forma, é importante que esses dados estejam corretos para não prejudicar o desenvolvimento do projeto e de próximas etapas. Um responsável pelo gerenciamento do banco de dados, permissões para cada usuário e backups devem ser realizados.
  • Modelagem Geológica: Todas as informações acerca do depósito (dados de sondagem, amostras, tipos de rocha, análises químicas, teores e densidades entre outros) são visualizadas em um modelo geológico. Dessa forma, é imprescindível que todos os dados estejam corretamente localizados e apresentados no modelo, sendo este a ferramenta essencial para a tomada de decisão do projeto mineral (como por exemplo, definir os recursos, viabilidade econômica e até mesmo onde construir a mina para a exploração do minério). 

Dessa forma, as etapas de amostragem, análises e gestão de dados juntamente com os procedimentos de QAQC são essenciais para um bom desempenho de um projeto de pesquisa ou exploração mineral.
Conte com a Core Case, temos a solução ideal para te auxiliar no armazenamento de sondagens e amostras de solo do seu projeto.

Referências

https://mrmr.cim.org/en/library/magazine-articles/quality-control-reporting-requirements-by-the-mining-industry/

http://igeologico.com.br/qaqc-transparencia-e-confianca-para-a-industria-mineral/

https://institutominere.com.br/materiais/e-book-conceitos-basicos-de-qaqc-instituto-minere

https://www.linkedin.com/pulse/qual-fun%C3%A7%C3%A3o-das-ferramentas-de-controle-qualidade-gilvana-soledade/?originalSubdomain=pt

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima